A Luz do Mundo na Bienal de Curitiba

A luz do mundo em Curitiba, a luz do mundo que vem de Curitiba: a edição de 2015 da Bienal Internacional de Curitiba teve por tema a arte da luz, a arte com a luz, a arte feita de luz e que tem na luz sua matéria, seu material e conteúdo.
A luz é a condição necessária para que exista a obra de arte em seus variados modos. Mas existe um território da arte contemporânea que se volta para a luz em si mesma como condição suficiente para sua manifestação sem recorrer a qualquer mediação de forma ou recurso conceitual e estilístico. Entre todos os modos da arte, a arte da luz é possivelmente aquele que mais livre da retórica e da cerebralidade se mostra. Na arte da luz há um silêncio de palavras e imagens dos mais apropriados à criação, ao redor de quem a contempla, das condições ideais para um contato direto com a pura experiência estética, aquela que vários artistas procuraram ao final do século 19 e início do seguinte sem de fato alcançar até o surgimento, primeiro, do abstracionismo e, depois, da arte da luz.

O Museu Paranaense recebeu a instalação sonora composta por 14 caixas de som.
Obras realizadas por: Sonia Falcone e José Laura Yapita, Sandra Monterroso, Rainer Krause, Raul Quintanilla Armijo, Priscilla Monge, Léon David Cobo, María Rincón e Cláudia Rodrigues, José Huamán Turpo, Javier López e Erika Meza, Gustavo Tabares, Fabiano Kueva, Adriana Barreto e Paulo Nazareth, todos artistas sob curadoria de Alfons Hug.

Exposição: Bienal Internacional de Curitiba | Luz do mundo
Período expositivo: 03/10/2015 a 06/12/2015
Recomendar esta página via e-mail: